[6 on 6] Laatste Reis

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Laatste Reis

Quem está chegando atrasada no Projeto 6 on 6 mais uma vez?  O verão resolveu passar mais cedo em Amsterdam e estou completamente desnorteada, perdi a noção do tempo na última semana e só no dia seguinte reparei que o dia seis já tinha passado  (quando vi os posts publicados das outras meninas do projeto, claro! hahah).

Relapsa do jeito que tenho estado, o tema de junho veio em boa hora: de laatste reis, nossa viagem mais recente. Veio a calhar pois estivemos em Berlin mês passado e eu ainda nem postei nada sobre, haha. Já fomos à Alemanha duas vezes (Köln <3), mas ainda não tinha aparecido a oportunidade para visitar a capital the original hipster. Vimos que nossa cantora favorita (adivinha? ela mesma) se apresentaria em Berlin e decidimos que seria uma boa desculpa pra fazer uma viagem curtinha.

Não sabia bem o que esperar; já tinha ouvido falar que é “a São Paulo que deu certo”, que é inesperada, nada a ver com o resto da Alemanha, e também ouvi intermináveis juras de amor à cidade. Apaixonei-me de cara? Não necessariamente, mas fiquei com aquela vontadinha de voltar e desvendar mais do que Berlin tem a oferecer. Também concordo com a comparação à São Paulo – grande, louca, meio sujinha, com gente de todos os estilos e tipos, mas com muitas possibilidades (mas a semelhança é só visual mesmo, Berlin é muito mais segura e livre de julgamentos).

O tema é ainda mais especial pois celebra nossos dois anos de projeto! Passou tão rápido e tivemos tantas participações lindas…

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Laatste Reis Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Laatste Reis

"de sorocaba para o mundo"

“sorocaba para o mundo”

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Laatste Reis Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Laatste Reis

Anneke van Giersbergen

Outras últimas viagens: Taís (Irlanda), Lolla (Inglaterra), Alê (Ucrânia), Ana (Alemanha)

[6 on 6] Natuur

Paula Abrahao | 6 on 6 - Maio 2016: Natuur

Falhas técnicas na vida me fizeram atrasar uns bons dias o post do Projeto 6 on 6 em maio: fazia tempo que a bateria do meu macbook estava dando sinais que precisava ser trocada, e demorei meses (talvez um ano) pra levar na assistência técnica. Adivinha quando inventei de fazer isso? Claro que na semana que deveria publicar o projeto. Não façam como eu, amiguinhos!

Atrasei, mas trouxe um monte de folhas verdes e canais comigo para mostrar um pouco da natuur de Amsterdam. Novamente não estava muito inspirada para fotografar e não amei o resultado, porém até que saiu melhor do que achei que sairia. Durante a primavera e verão, Amsterdam tem muito verde e dias lindos de Sol. A qualquer sinal de luz solar, todo mundo faz questão de sair na rua – se estiver quente o suficiente, picnics e churrascos em qualquer gramado livre são a ordem. Apesar de ser uma cidade bem metropolitana, Amsterdam tem muitos espaços verdes bem preservados mesmo nas áreas mais movimentadas.

Só acho tudo verde demais às vezes, sinto falta de ver plantas coloridas por aí (tulipas plantadas pela prefeitura não contam! :P). Fico super feliz quando passo por uma trepadeira de wisterias (ou glicínias) roxinhas, mas a cor e densidade delas não chega a ser intensa. A verdade é que depois de oito meses de frio e tempo miserável, estar cercada por um pouco de vida já me deixa extremamente feliz.

Paula Abrahao | 6 on 6 - NatuurPaula Abrahao | 6 on 6 - NatuurPaula Abrahao | 6 on 6 - Natuur

uma trepadeira de wisteria, bem tímida – mas bonita o suficiente pra me deixar feliz

Paula Abrahao | 6 on 6 - NatuurPaula Abrahao | 6 on 6 - NatuurPaula Abrahao | 6 on 6 - Natuur

Veja também as outras fotos do projeto:
Taís (Irlanda), Lolla (Inglaterra), Alê (Ucrânia), Ana (Alemanha)

Cerejeiras em Amsterdam

Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam

Finalmente chegou a primavera em Amsterdam! O clima ainda não está aquela maravilha, mas já conseguimos sentir o calor e deixar os casacos pesados em casa – e isso pra mim já faz uma diferença absurda.

Há dois fins de semana aconteceu o festival das cerejeiras no Amsterdamse Bos, um parque gigantesco localizado ao sul da cidade. O parque é tão grande que levamos 1h pedalando até chegar e encontrar o local exato onde estavam as cerejeiras – em média levamos de 15 a 25min para atravessar boa parte da cidade, então só imagina o tamanho do lugar.

O sul de Amsterdam e a municipalidade de Amstelveen (olha lá os termos estranhos de novo) é onde se concentram os imigrantes japoneses, e em outubro de 2000 o governo japonês doou 400 cerejeiras de presente ao Japan Women’s Club de Amstelveen para celebrar os 400 anos de relacionamento entre o governo holandês e japonês. Estas árvores foram plantadas no Amsterdamse Bos, mas também dá para encontrar algumas nas ruas de Amstelveen e em outros parques em Amsterdam, como o Westerpark e Amstelpark.

As sakuras estavam em plena floração, o parque estava cheio e o dia estava bonito, uma combinação boa para fotos – e eu gosto pouco de tirar fotos de flores e pessoas aleatórias, né? xD Ficamos tão empolgados que levamos quase todas nossas lentes (105mm, 50mm e 35mm) e também a câmera analógica.

Descobri que as árvores com flores brancas são as mais jovens, que devem ter por volta de dez anos, e as de flores rosas são árvores antigas, o que me fez gostar ainda mais delas. :)

even the cherry tree, swaying in the wind, will eventually blossom [SAKURAドロップス]

Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam
PaulaAbrahao-SakurasWesterpark01
Paula Abrahao | Cerejeiras em Amsterdam

[6 on 6] Buursteden

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Buursteden, Cidades Vizinhas

Ah, se não fosse o Projeto 6 on 6 pra me fazer aparecer no blog… *shame on me*

Depois de mostrar um pouquinho dos meios de transporte em Amsterdam, chegou a vez de falar sobre as cidades vizinhas (buursteden em neerlandês). Meu plano era ir para Haarlem, aquela que inspirou a cidade nova-iorquina, mas o mês foi corrido e não consegui, então busquei algumas fotos do arquivo para mostrar alguns outros lados da Holanda.

» Antes que eu fuja do tópico: vocês sabiam que Nova York foi colonizada por holandeses e, na verdade, já se chamou Nova Amsterdam? Um dia falo mais sobre isso!

A Holanda (ou Países Baixos, como preferir) tem uma divisão extremamente confusa, e confesso que ainda não sei diferenciar muito bem as coisas. Amsterdam não é um Estado, é uma cidade com oito distritos que faz parte da província da Holanda do Norte, mas também é uma área metropolitana que contém onze outras municipalidades… deu pra entender? Pois é, eu também não entendo! hahah. Comparando com São Paulo, Amsterdam é a “Grande São Paulo” e as outras cidades (que não são necessariamente cidades aqui) são como Guarulhos e o ABC.

Fiquei um pouquinho mais louca escrevendo esse post, tentando entender e explicar esses detalhes. Também percebi que praticamente não tenho fotos (realmente boas) das poucas cidades vizinhas que visitei. Já fiquei com os pés coçando para explorar mais as redondezas. Por enquanto, compartilho um pouco de Lisse, a cidadezinha vizinha de Amsterdam que é famosa por ter o maior jardim da Europa, o Keukenhof.

Keukenhof, em Lisse Keukenhof, em Lisse Keukenhof, em Lisse Keukenhof, em Lisse Keukenhof, em Lisse Keukenhof, em Lisse

Veja também as outras fotos do projeto: Taís, Irlanda | Lolla, Inglaterra | Alê, Ucrânia | Ana, Alemanha

[6 on 6] Vervoer

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte

Entre todas as mudanças que Amsterdam trouxe para minha vida, meu relacionamento com o transporte foi, sem dúvidas, uma das maiores e mais drásticas. De viajante passiva do transporte público paulistano (às vezes agressiva, se uma viagem nos trens da CPTM estava envolvida), passei a controlar meu próprio percurso através do uso constante da bicicleta. Nunca me imaginei ir pedalando para o trabalho, a escola, um bar, uma festa, e menos ainda para shows e salas de concerto – toda arrumadinha, de salto, maquiada… quem diria?

Bastam alguns minutos em solo holandês para entender a importância das bikes no cotidiano dos locais; faça sol, chuva, vento ou neve, lá estão os holandeses pedalando – com crianças penduradas em cada extremidade da bike, carregando coisas 3x maiores do que eles ou simplesmente com a cara grudada nos telefones (e sem as mãos no guidão).

Mas não só de bikes vive a cidade. O transporte público é muito eficiente e geralmente pontual (os alemães discordariam, mas pra quem vem de São Paulo, onde nunca se sabe quando um ônibus ou metrô vai passar, é a coisa mais maravilhosa do universo). Opções não faltam, tem ônibus, tram (bonde), metrô, trem e balsa. Já na parte de transporte particular, tem muitas scooters (que odeio, pois andam junto das bikes nas faixas e muitas vezes causam acidentes), além de opções de aluguel de carro nas ruas mesmo, sem depender de lojas.

Vervoer (“fêrfúêr” em transcrição tosca e livre, haha)  é o tema do mês de março no Projeto 6 on 6, e tentei mostrar para vocês alguns dos principais meios de locomoção da cidade, e alguns dos meus favoritos também.

Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte Paula Abrahao | Projeto 6 on 6: Vervoer - Transporte

Bakfiets: coloque um caixote gigante na frente da sua bicicleta e *tcharam* você tem um carregador oficial de criancinhas e cachorros (às vezes de mudança também). Há vários modelos de bakfiets no mercado (a da foto nem é uma das mais tradicionais) e elas são vistas pela cidade toda, às vezes só com uma criança, às vezes com várias… tem até uma bakfiets específica das escolas primárias, que são elétricas e carregam umas 8 crianças de uma vez. É a típica bike familiar da Holanda. :)

Balsa: saindo na parte de trás da estação central, as balsas conectam Amsterdam à parte norte da cidade, Amsterdam Noord. Elas são totalmente gratuitas e funcionam praticamente o dia inteiro, carregando pessoas, bikes, scooters e até Cantas (carrinhos minúsculos e de velocidade reduzida para uso específico de idosos ou pessoas com algum tipo de deficiência física).

Barco: um dos melhores jeitos de conhecer Amsterdam é através dos canais, seja em um barco turístico com roteiro programado (como o da foto) ou alugando seu próprio barquinho e sair navegando por aí. Muitos holandeses têm barcos pequenos para usar nos canais de Amsterdam, mais por lazer do que praticidade.

Bikes: não dá para falar de transporte e não mostrá-las, né? Em todos os formatos, cores, tamanhos, com freio de pedal, mão ou roda livre, dobrável, omafiets, speed… tem absolutamente de tudo – e não é difícil encontrar um amontoado de bikes assim por aí.

Metrô e Trem: o metrô não é meu meio de transporte favorito aqui, prefiro mil vezes os trams ou ônibus a eles, mas ainda assim são eficientes e cobrem áreas mais distantes da cidade. Muitas estações de metrô funcionam também como estações de trem, tanto para outras cidades holandesas como para outros países. Não fotografei os vagões, mas lembrei dessa foto que adoro e tirei em uma tarde bem fria de inverno na estação RAI, esperando meu metrô de volta para a Centraal (é com dois “a” mesmo).

Trams: tão bonitinhos e tão sanguinários quando tem alguém no caminho deles (o condutor senta a mão na buzina sem dó alguma)! Depois das bikes, é meu transporte de escolha em Amsterdam. Eles te levam para todo o canto da cidade com conforto e um preço honesto, cobrado por distância percorrida. É tão raro conseguir ver um tram de cima que simplesmente não resisti quando olhei pela janela e vi essas engenhocas cheias de fios e cabos cruzando seus caminhos. :)

Outros transportes pelo mundo:

Irlanda (Taís) | Lolla (Inglaterra) | Alê (Kiev) | Ana (Alemanha)