Posts sobre Viagens

[6 on 6] Lente

É a segunda vez que a vejo chegar por esses lados, e dessa vez ela veio bem tímida, sem pressa. Algumas florzinhas nasceram em canteiros, a temperatura subiu alguns graus (poucos, é verdade) e os dias escuros abriram espaço para noites gloriosas com luz natural até 22h.

A primavera é o tema de maio no Projeto 6 on 6 e marca o início da temporada de coisas incríveis em Amsterdam (RoekjesdagDia do Rei, festivais, shows, eventos, etc), e  em menos de duas semanas nós esquecemos completamente os quase sete meses de clima hostil. Agora as flores já tomam conta de todas as ruas da cidade e as pessoas já se abandonam em qualquer pedaço de grama para absorver até o último raio de luz solar.

Não é nem um pouco difícil se apaixonar por ela. ❤

Paula Abrahão | Blog - Projeto 6 on 6: Lente Paula Abrahão | Blog - Projeto 6 on 6: Lente Paula Abrahão | Blog - Projeto 6 on 6: Lente PaulaAbrahao-Lente5 Paula Abrahão | Blog - Projeto 6 on 6: Lente

Estou de volta em São Paulo essa semana, por isso o post do 6 on 6 saiu um dia atrasado. E, como sempre, “lente” significa primavera em holandês. :)

Outras primaveras pelo mundo: Taís (Irlanda) | Sarah (Noruega) | Lolla (Inglaterra) | Alê (Ucrânia)  Rita (Portugal)

Koningsdag 2015 em imagens – e vídeo!

A promessa de passar meu segundo King’s Day dentro de um barco não foi cumprida, mas pelo menos consegui juntar um grupo divertido de pessoas que nos acompanharam pela cidade no dia mais laranja do ano. Foram 8h andando por Amsterdam, provando as comidas de rua e observando as pessoas e os barcos passando – que renderam 470 fotos e alguns vídeos [ainda não editados, obviamente, já que sigo a corrente ~blogagem lesma~].

Caiu de paraquedas e não faz a menor ideia do que é o Dia do Rei? Eu explico rapidinho: lá em 1800-e-guaraná-com-rolha, a população estava insatisfeita com o governo do rei Willem III – porém caía de amores por sua filha, princesa Wilhelmina. E o que faz a família real nessas horas? Declara um feriado nacional para celebrar o aniversário da criança, claro! Tudo começou com um “Dia da Princesa”, seguido por 123 anos de “Dia da Rainha”, e desde 2013 é celebrado o aniversário do atual monarca, Willem-Alexander, no dia 27 de abril – por isso virou “Dia do Rei”.

A comemoração é a mesma há anos: todos usam alguma peça laranja, famílias vendem suas coisas antigas na frente das casas e nos parques, os canais enchem de barcos (geralmente com pessoas felizes e alcoolizadas) e nas ruas tem música, comida e várias festas diferentes. E meu passeio de barco não vai passar de 2016, eu prometooooo, Paula do futuro! Mas dessa vez tem vídeo pra mostrar melhor como foi. :D

//

So it was King’s Day again, and I ended up not fulfilling my last year’s promise of spending the day on a boat. At least this year I had the pleasure of walking around the city for 8h straight with my husband plus an amazing group of people – with 470 pictures and a couple of videos [still not edited, though] to tell the story. Have no idea what a King’s Day is? Wiki explains it all. And I promise (yet again) my future self that in 2016 there will be a boat. At least we have a video this time! :D

Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)

docinhos típicos para celebrar a data

Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)

foto por Tassia Pellegrini

foto por Tassia Pelegrini

Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) PaulaAbrahao_Koningsdag2015_14 Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) mozão dos mozões Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)

all hail the [fake] king!

all hail the [fake] king!

Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam) Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)

~fritando~

~fritando~

~mozão~
Paula Abrahão | BLOG - Koningsdag 2015 (Dia do Rei em Amsterdam)

Susanne König e outros tatuadores em Amsterdam

Foi com quinze anos que me deu vontade de fazer uma tatuagem pela primeira vez, e me lembro de ficar desenhando no caderno da escola exatamente o que eu faria e em quais lugares – eram cinco, naquela época. Treze anos se passaram e eu ainda não fiz nenhuma, mas continuo achando uma arte incrível.

Um dos principais motivos pra essa tattoo nunca ter saído é o receio de não ficar como imaginei, e não ter encontrado tatuadores com estilos de desenho que eu visse e pensasse “é isso!”, contribuiu. Até que um dia, procurando profissionais aqui em Amsterdam, caí no Instagram da Susanne König e…

SusanneKonig

instagram @suflanda

Apaixonei completamente! ❤ A delicadeza dos traços, a precisão do sombreamento e a técnica de preenchimento com pontilhismo me deixaram maravilhada – tanto que me deu “a louca” esses dias e quase fui direto no salão em um sábado pra fazer qualquer coisa. Ano passado ela começou uma série incrível de tatuagens com o conceito “a room inside a heart“: suas paixões dentro de um coração anatômico. Embora seja uma tattoo temática, cada coração da série tem seus detalhes únicos.

Susanne anunciou essa semana que Maio será seu último mês atendendo no Salon Serpent, um estúdio famoso daqui, depois ela voltará para sua cidade natal na Alemanha. Quando eu falo que Murphy anda de mãos dadas comigo, vocês não acreditam. :P

Henk Schiffmacher

De qualquer forma, nem de longe ela é o único nome memorável nesse cenário. Um senhorzinho holandês chamado Henk Schiffmacher é o responsável por colocar Amsterdam no mapa da tatuagem e fazer de Hanky Panky um dos estúdios mais famosos do mundo desde 1979. Ele também esteve por trás do Museu de Tatuagem de Amsterdam – que, infelizmente, não existe mais. Incontáveis famosos rabiscaram a pele com Hank (Kurt Cobain, Marilyn Manson, Kate Moss, Red Hot, Ozzy, Lady Gaga – só pra citar alguns), que hoje se dedica a pintar, desenhar e escrever. Agora quem leva o sobrenome Schiffmacher para a frente é sua filha, Morrison, especializada em tatuagens clássicas e lettering.

Tattoo Peter também é outro lugar de renome, aberto por Pier “Peter” de Haan em 1955 e atualmente comandado por quatro tatuadores que trabalham com estilos diferentes, porém todos com uma temática mais clássica (pense em tatuagens de marinheiros).

Tattoo Peter

divulgação: Tattoo Peter

Amsterdam é uma meca de tatuagem e está cheia de estúdios para quem quer um souvenir definitivo, mas nada será mais tradicional do que tatuar no Hanky Panky, Tatttoo Peter e Salon Serpent. Vamos ver se esse ano minha tatuagem sai de uma vez por todas, né? :D

[6 on 6] Straatgrafiek

»» If you’re an English reader, scroll down or click here.

Costumo dizer que Murphy anda de mãos dadas comigo. Obviamente, assim que escolhemos o tema “arte de rua” para o Projeto 6 on 6 desse mês, o universo conspirou contra: o lugar ícone para graffiti e street art em Amsterdam entrou em processo de gentrificação – com direito a protesto, polícia e todas as tretas que essas coisas pedem.

Mas tudo bem, isso só me deixou com ainda mais vontade de registrar uma última vez esse pedacinho (já não tão) colorido da cidade. Recomendo dar uma olhada no post que fiz sobre a Spuistraat ano passado para comparar a mudança, e também a leitura desse artigo (em inglês) para entender um pouco a história por trás dos krakers e do que foram esses espaços que eles ocuparam e transformaram.

Até tirei fotos de outros graffitis, adesivos, lambe-lambes e intervenções que encontrei tímidas pela cidade, mas no fim acabei selecionando praticamente só fotos da Spui. Fica aqui a minha singela despedida desse quarteirão que muitas vezes deixou os meus dias cinzentos em Amsterdam mais felizes.

* Apesar de existirem os termos “straatgrafiek” e “straatkunst”, em holandês costumam usar street art mesmo. :)

Taís (Irlanda) | Sarah (Noruega) | Lolla (Inglaterra) | Alê (Ucrânia)  Rita (Portugal)

Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam Paula Abrahão | BLOG - 6 on 6: Street Art Amsterdam

//english

Once upon a time there was this colourful street in Amsterdam. Now it’s going through a gentrification process, and the buildings that once housed art galleries in the open will soon be turned into luxe flats/offices. In this month’s edition of Project 6 on 6, we bring you our views on street art around six european cities (Amsterdam, Dublin, London, Kiev, Tromsø and Lisbon). More than that, this assignment is my very personal goodbye to one of my favourite parts in the city. I’m glad I was able to photograph it a couple of times this past year, at least. If you want to know more about Spuistraat’s history, I recommend reading this article.

[6 on 6] Begraafplaatsen

Enquanto a maioria das pessoas prefere ignorar o assunto ou tem medo, eu sempre cultivei um certo fascínio e me senti extremamente segura dentro deles – como se nada no mundo externo pudesse me atingir, sabe? Cemitérios são lugares extremamente tranquilos e bonitos.

Lembro a primeira vez que pisei no Necrópole São Paulo, Consolação e no Araçá, fiquei encantada com a arte tumular, com os mausoléus e as esculturas incríveis. Meus avós maternos estão enterrados no Necrópole, e visitá-los era como um ritual para mim. Um ritual cercado de respeito, reflexão, saudade e beleza – mas nunca tristeza.

Esse mês no Projeto 6 on 6 (que está chegando um pouquinho atrasado aqui, eu sei) mostramos as “últimas moradas” ao redor da Europa. O De Nieuwe Ooster Begraafplaats é o maior cemitério do século XIX na Holanda e há mais de uma década tem o título Rijksmonument de patrimônio histórico nacional.

Assim como praticamente todos os aspectos da sociedade holandesa, as tradições que envolvem a morte são simples e sem ostentações (um pouco para minha decepção, devo dizer). Em sua grande maioria as lápides são gravadas em pedra, algumas enfeitadas com pequenas esculturas de anjos ou animais ao seu redor, o que achei muito simpático. Ele é todo cercado por árvores e grama, e é visível o cuidado que tanto a administração quanto os parentes têm em manter tudo bonito. Mesmo os túmulos mais antigos estão em bom estado, não há nada depredado ou fora de seu lugar.

Vi incontáveis buquês de flores recém colocados, bichinhos de pelúcia, enfeites e outros detalhes, uma delicada simbologia para representar toda uma existência. Foi com um arrepio que a minha reflexão sobre a mortalidade tomou uma nova proporção ao ver o túmulo de uma jovem vítima do tsunami que atingiu a Tailândia em 2004; vigiada de perto por um buda e cercada por velas, flores e objetos coloridos.

Acho que a idade me fez mais suscetível à aversão em pensar sobre a morte. Aos poucos, o conformismo que eu tinha tem sido substituído pelo receio – não da morte em si, mas das pessoas que ficarão para trás. De quem vai cuidar da minha família, dos meus gatos, quem vai limpar a bagunça que eu deixar para trás… vocês se pegam pensando nessas coisas também, às vezes?

O último adeus em outros lugares: Irlanda (Tais) | Inglaterra (Lolla) | Noruega (Sarah) | Portugal (Rita) | Ucrânia (Alê)

Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats

Paula Abrahao | BLOG - Begraafplaats

Monumento para Thérèse Duyl-Schwartze, pintora holandesa

Winter Wonderland

Que título mais clichê, né? Mas é a única coisa que consegui pensar depois de ver uma mísera camada de neve cobrindo as ruas de Amsterdam 2x semana passada. Não foi o suficiente para fazer bonecos de neve ou “anjinhos”, mas fiquei extremamente feliz e consegui ver alguns floquinhos (já praticamente derretidos) caindo do céu. Ainda estou nutrindo a esperança de ter muito mais neve em fevereiro, que dizem ser o mês mais propenso para isso.

Quem sabe um belo dia eu consigo ver os canais congelarem o suficiente para patinar, ou até para o Elfstedentocht – o famoso campeonato de patinação que passa por onze cidades do norte da Holanda e só acontece quando os canais do percurso congelam naturalmente com pelo menos 15cm de espessura. A última vez que o campeonato aconteceu foi em 1997, ou seja… ¯\_(ツ)_/¯

Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland

Deixei minha marquinha de felicidade em um carro alheio :P

Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland

Carrinho de bebê, humanos, cachorros e PATINHOS (ou corvos, ou gaivotas… não sei)! ❤

Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland Paula Abrahao | BLOG - Winter Wonderland

Primeira vez na vida que levantei tão empolgada da cama às oito da manhã, me troquei correndo e saí na rua sem nem sentir tanto frio – isso depois de ter dormido só por umas 4h. O desespero pra ver a neve antes que derretesse foi tanto que nem peguei a câmera, então de novo apelei para a dupla iPhone + VSCOcam. Adoro o efeito azulado que os dias escuros de inverno dão nas fotos. ❤

//

Such a cliche title, I know. But it’s the only thing that has crossed my mind after seeing a sheer blanket of snow covering Amsterdam’s streets twice last week. It was the first time I’ve ever seen snow in my life, and even though it wasn’t enough to build a snowman (yes, Frozen pun intended), it already made me super happy. There’s still a chance of snow in February, so I’m trying to keep my hopes up.

Maybe one day we’ll be able to see the canals freezing enough to ice skate, or even for the Elfstedentocht championship – when people ice skate through 11 different dutch cities if the canals freeze just enough. Last time that happened was in 1997, so… well.. yeah, chances are really low. ¯\_(ツ)_/¯

It was the first time I’ve ever woken up so excited at 8am, got dressed really fast, and went outside without even noticing the piercing cold. I was so desperate to see the snow before it melted that I didn’t even get my camera, so once again I had to turn to my iPhone and VSCOcam. They did quite a good job, I must say. And I just love this blue-ish tone that winter days give to pictures. ❤

Blue Monday

Não é uma ciência exata, mas reza a lenda que esta é a segunda-feira mais triste e deprimente do ano no hemisfério norte (por isso o apelido fofo de “Blue Monday“). Amsterdam amanheceu envolta em uma névoa pesada, com zero grau no weather app e corvos cantarolando entre as árvores. Nenhuma dessas características, para mim, resultam em um dia ruim. ♡

Passei por Buitenveldert pela manhã, um bairro na região sul da cidade, e fui presenteada com canais cercados de árvores secas dignos de contos de fadas. Se arrependimento matasse, estaria a 6 feet under agora por não ter saído de casa com a câmera hoje. Mas o bom e velho iPhone + VSCOcam estão sempre aqui quando a gente precisa.

Paula Abrahao | BLOG - Blue Monday Paula Abrahao | BLOG - Blue Monday Paula Abrahao | BLOG - Blue MondayPaula Abrahao | BLOG - Blue Monday Paula Abrahao | BLOG - Blue Monday Paula Abrahao | BLOG - Blue Monday Paula Abrahao | BLOG - Blue Monday

And all my bones began to shake / my eyes flew open
[x]

[6 on 6] Winter

Os dias nascem perto das 9h e se vão a partir das 16h30, o céu é constantemente cinza e nublado, chove, faz frio, o vento é forte (moinhos não são uma tradição por acaso). O tema do mês no Projeto 6 on 6 nem precisa de tradução do holandês, só basta saber que se pronuncia “vínter” ao invés de “uínter“.

Costumava dizer que era a minha estação favorita… you know nothing, Jon Snow. É familiar a melancolia que essa época me traz, mas meu primeiro inverno no norte do planeta me pegou de jeito e trouxe uma brisa de depressão de presente, com direito a não ter a menor vontade de sair de casa e chorar por motivo nenhum. Apesar de tudo, é nesses dias que eu entendo de onde vieram as músicas do The Gathering – tinha que ter um ponto positivo, pelo menos.

Esse é o segundo, e acho que dessa vez meu coração está um pouco mais aquecido e preparado para os meses de frio. Se não estiver, uma caneca com chá de hortelã pelando ou um Chocomel quentinho resolvem todos os problemas. Ou quase todos.

Taís (Irlanda) | Sarah (Noruega) | Lolla (Inglaterra) | Rita (Portugal)

Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter

Torta de maçã quentinha com chá de hortelã? Ja, graag!

Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter

Malhas direto da Lapônia para a Rembrandtplein, no centro

Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter

E uma sétima foto de brinde: (um projeto de) neve! Parece caspa, mas eu juro que é neve. O máximo que teremos esse inverno, pelo jeito. :/

Paula Abrahao | BLOG - Projeto 6 on 6: Winter

Tive que roubar algumas fotos do inverno passado, já que 2015 chegou com dois pés no peito e os dias que reservei para fotografar foram tomados por um pequeno infortúnio, mas hoje as coisas estão voltando ao normal. Vocês me perdoam pela ausência e relapso momentâneo? ♡