CDs da minha vida

Desde pequena, música é um dos meus maiores prazeres. O interesse nasceu através dos meus pais, que estavam sempre ouvindo seus CDs e LPs favoritos no carro ou no sound system da sala, no volume mais alto, enquanto faziam suas coisas – um hábito que eu também puxei, não consigo fazer qualquer coisas sem ter uma trilha sonora acompanhando.

A paixão é tanta que um dos meus maiores sonhos de adolescente era ser cantora – que eu obviamente não consegui, mas até hoje gosto de fingir que sei cantar! xD

Tenho muitas memórias infantis que envolvem música, e foi uma delícia buscar essas referências dos últimos 20-e-poucos anos pra fazer o post. Foi difícil escolher os principais, mas os 12 álbuns que marcaram minha vida são esses. Aperta o play e vai lendo! ;)

The Carpenters – Only Yesterday

Destaque para as músicas “Sing” e “Please Mr Postman”, que eu amava. Esse era um dos LPs que minha mãe mais ouvia, fez parte de muitos momentos da minha infância.

The Beatles – Anthology

O único CD duplo que tinha em casa e eu adorava raptar da estante do meu pai, levar pro carro (parado na garagem, hahah) e ouvir “She Loves You” o mais alto possível. Nessa coletânea também tinha a versão em alemão, que adorava tanto quanto – e me divertia tentando entender e cantar.

Michael Jackson – Thriller

Um dos LPs favoritos da minha mãe, e um dos poucos que ela guardou até hoje, mesmo sem ter mais tocador de LP. Thriller e Bad foram trilha sonora de muitas tardes de faxina em casa na minha infância.

Mariah Carey – Number 1’s

Eis um CD que riscou em praticamente todas as faixas de tanto que minha mãe e eu ouvíamos. Lá pelos meus 13 anos, roubei de vez esse CD da minha mãe e passava H O R A S trancada no quarto ouvindo inteiro, tentando cantar igual à Mariah e fazendo performances para meus bichinhos de pelúcia segurando uma escova de cabelo na mão – já dá pra imaginar o quanto a vizinhança me odiava, né? :D

Disney

Eu era aquele pirralha que ia pra Ubatuba com a família no fim de semana e ficava brincando de “ser sereia”, cantando “Parte do Seu Mundo” e balançando o cabelo dentro da água, pedindo pra mãe tirar foto. Mas eu era feliz! :P Minhas trilhas favoritas (até hoje, hahahah) eram as da Pequena Sereia, A Bela e a Fera, Aladdin, Pocahontas e Mulan. ♡

Spice Girls – Spiceworld

Capa rasgada, CD riscado e uma Paula que sempre subia na mesa de centro da sala pra dançar Spice Girls. Nunca tive o primeiro delas, Spice, então só me restava ouvir Spiceworld inúmeras vezes seguidas por dia até cansar. A febre Spice Girls era tanta que as amigas levavam o discman pra escola e passávamos o intervalo dançando as coreografias – inclusive a diretora chamou a gente pra se apresentar numa festa de final de ano! hahahah. Foi uma das primeiras bandas que instigaram um fangirling forte: eu tinha pasta de colagens, revistas, pôsteres, sabia todas as letras de cor e ainda colecionava os pirulitos e as figurinhas (alguém lembra disso?).

Backstreet Boys – Backstreet Boys

Dispensa apresentações, né? hahahah Eu era #TeamNick, aliás.

No Doubt – Tragic Kingdom

Mais um CD que roubei dos meus pais – e até hoje não sei como ele chegou em casa e se era do meu pai ou da minha mãe. A voz arranhada da Gwen Stefani também me acompanhou em muitas tardes depois do colégio, especialmente com “Don’t Speak”, “Just a Girl” e “Different People”.

Christina Aguilera – Stripped

Até hoje continua sendo meu álbum favorito dela, acho que deve ter só duas músicas que eu não gosto muito – além de ter sido o primeiro CD que eu comprei com minha mesada! Nem preciso falar nada de “Fighter” e “Can’t Hold Us Down”, né? Com certeza “CHUD” foi uma das primeiras músicas que me fizeram perceber o que é feminismo.

Evanescence – Fallen

Como toda boa adolescente revoltadinha que assistia MTV, me apaixonei por Evanescence assim que vi o clipe de “Bring Me To Life” pela primeira vez. Não posso negar que Evanescence foi uma banda importante pra mim, na fase chata dos 16/17 anos (e qual adolescência não é?) eu me identificava muito com as músicas da Amy Lee. O amor pela banda era tão grande na época que fiz parte do site oficial brasileiro e foi por lá que conheci muitos amigos que me acompanham até hoje. Foi também nessa fase que usei pela primeira vez o username @DarkDiva numa rede social, e nunca mais larguei. ♡

Epica – The Phantom Agony

Nunca vou esquecer o dia que um amigo passou uma música e falou “ouve essa banda nova que você vai gostar”. Ele acertou em cheio: há 10 anos, Epica é uma das minhas bandas favoritas, a única que eu fiz questão de ir em todos os shows no Brasil, e sem dúvidas foi decisivo para abrir meu gosto musical para outras vertentes do rock/metal. Em 2007 e 2008 eu até participei de uma banda cover, hahah. The Phantom Agony continua sendo um dos meus álbuns favoritos até hoje.

The Gathering – Home

De todos esses álbuns que escolhi, se tivesse recomendar apenas um para vocês ouvirem, é o “Home” do The Gathering. As músicas são deliciosas pra ouvir em absolutamente qualquer momento e têm uma continuidade impressionante, perfeitas pra ajudar a concentrar ou relaxar. Desde o lançamento, em 2006, está entre meus favoritos. E já falei sobre a ex-vocalista deles aqui no blog.

Achei que seria difícil encontrar 12 álbuns pra essa lista, mas me peguei pensando em quais deixaria de fora ou não. Claro que tem muitos outros que me marcaram nesses 27 anos, mas acho que essa seleção engloba bem as mudanças do meu gosto musical desde minha infância até agora.

E agora eu quero saber: quais são os seus CDs favoritos e quais desses que eu escolhi também fizeram parte da sua vida. ^^

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais. Para ler todas as blogagens coletivas do Rotaroots, clique aqui. Quer participar? Então faça parte do nosso grupo no Facebook e inscreva-se no Rotation.